segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

The Stigma of Effeminacy - O Estigma do Afeminamento

Extrato da parte da obra: ANDROPHILIA - Jack Donovan - http://recrutaespartano.blogspot.com.br/2012/12/sobre-androphilia-jack-donovam.html

Durante o século XVI, no primeiro ano de seu governo o Emperador Justiniano prendeu Alexandre de Diospolis acusado de atos homossexuais. Foi submetido como punição por fazer sexo com homens à castração e desfilar nu pelas ruas como exemplo. Exemplos como estes seguiram por toda a antiguidade, principalmente nas culturas judaico-cristas. A castração era uma forma de punir o homem que envolvia-se em sexo com outros homens retirando dele sua masculinidade. Removido seus órgãos genitais o homem era igualado ao nível de inferioridade destinado as mulheres perdendo inclusive seus direitos de cidadão. A mensagem proclamada através da castração é que um homem que se envolve em atos sexuais com outros homens não pode ser considerado um homem.

“While castration is extreme, the same mensage resonates throughout Western culture to this day: males who engage in homossexual acts can´t be man; men who love men must be neutralized by having their manhood removed; they must become something else”

"Enquanto a castração é o extremo, a mesma mensagem ressoa na cultura ocidental até hoje: os homens que se envolvem em atos homossexuais não podem ser homens, os homens que amam homens deve ser neutralizados por ter sua masculinidade removida, eles devem tornar-se alguma coisa"

O afeminamento, é de certa forma uma espécie de castração já que o homem abre mão de sua masculinidade em pró de uma postura feminina. Dessa forma a socidade vê ao afeminado como um homem castrado, que perdeu sua masculinidade para se tornar “algo” indefinido entre o homem e a mulher ou um “meio homem”. Com a evolução das idéias humanistas houve também esforços para se entender o fenômeno da homossexualidade levantando-se questões que ainda hoje ressoam. Um exemplo disso e a idéia de que um homossexual seria um “homem com alma feminina”, avalizando o afeminamento como algo inerente ao homossexual masculino.

“The problem is that homossexuality and affeminacy are virtually synonimous in the modern public´s mind. All man who love men are stigmatized as being intrinsically effeminate”

"O problema é que homossexualidade e afeminamento são praticamente sinónimo na mente do público moderno. Todos os homens que amam homens são estigmatizados como sendo intrinsecamente afeminados "

O senso comum também cria no moderno homosexual uma noção de legitimidade ao assumir uma postura feminina. Recorrente a conceitos antigos que tentavam explicar a homossexualidade ou o homossexual como um “homem que nasce geneticamente masculino, mas tem uma alma feminina”.
Gostar de outro homem não muda o fato de ser homem e ter sua masculinidade, não quer dizer obrigatoriamente que este homem seja afeminado ou tenha seu “lado garota” aflorado (se é que o tem...)

I love men because i´ve developed a deep-seated appreciation for men and for masculinity itself”

"Eu amo os homens, porque eu desenvolvi uma apreciação profunda por homens e para própria masculinidade"

“In part, this stigma of affeminacy has to do whith a rather simplistic, polarized understanding of sexuality. Sex between male and female is nature´s norm, so according to a basic line of reasoning, males who want other males must somehow be more womanlike. It´s easy to see how this would make sense to people whose understanding of sexuality is grounded in that binary system of male/female. If those men who love men are really more like women, everything falls into the predictable pattern".

"Em parte, este estigma do afeminamento tem a ver com um entendimento um pouco simplista e polarizado da sexualidade. Sexo entre macho e fêmea é norma da natureza, isso de acordo com uma linha básica de raciocínio, os homens que querem outros machos deve de alguma forma ser mais femininos. É fácil ver como isso faria sentido para as pessoas cuja compreensão da sexualidade é baseada nesse sistema binário homem / mulher. Se aqueles homens que amam homens são realmente mais como mulheres, tudo cai no padrão previsível.

Esta polaridade na maneira de compreender a homossexualidade é comumente usada para justificar uma “anti-naturalidade” nas relações de um mesmo sexo. Cria também uma tendência, para a compreenção, em uma relação homossexual  atribuir a um dos sexos papeis compreendidos como masculinos e femininos sendo que à este ultimo atribui-se também o atributo do afeminamento, coisa que nem sempre corresponde a verdade. Nem sempre o que se compreende como feminino – o passivo – é aquele que possui características femininas e na maior parte das relações homossexuais não existe um papel definido no ato sexual para cada parceiro.

“A psychic separation is created between the self and the objetct of sexual desire. It is really no wonder that so many self-identified homosexuals, in some way perceive themselves to be more feminine than the masculine man that they desire. It seems like a psychological reflex to assume that, when appreciating the masculinity of another man, one is somehow different from him and those like him. But this is more a matter of perception than reality”

"Uma separação psíquica é criada entre o eu eo objeto do desejo sexual. É realmente de se admirar que tantos auto-identificados homossexuais, de alguma forma percebe-se como sendo mais femininos do que o homem masculino que eles desejam. Parece um reflexo psicológico de assumir que, quando aprecia-se a masculinidade de outro homem, um é de alguma forma diferente dele e de outros como ele. Mas isso é mais uma questão de percepção do que realidade "

 Na antiguidade alguns povos como o grego tinham uma visão diferente em relação a homossexualidade, contudo não escapavam da idéia de colocar em um papel depressiativo o papel do homossexual passivo dentro desta relação como o assumir de uma postura feminina e a subordinação entendida como própria ao sexo feminino. Um homem submisso perde seu valor como cidadão e o status reservado a masculinidade. A perda do status masculino está então intimamente ligada desde o início ao afeminamento. A demonstração de virilidade e o manter das qualidades masculinas entre os pares homossexuais, principalmente entre guerreiros, era visto pelos gregos como um fator positivo de união, tornando lícita ou aceita a homossexualidade. Exemplos como este podiam ser vistos em outras culturas como a Chinesa e a Japonês, entre guerreiros e monjes, onde a homossexualidade era vista com normalidade e como fator positivo de união entre homens.

“During the Ming Dynasty, in the southern province of Fujian, male couples often cohabitated. These bonds were prevalent enough there that troughout China they were referred to as nanfeng – a play on the word nan, which means both male and south”

"Durante a Dinastia Ming, no sul da província de Fujian, pares masculinos, muitas vezes viviam juntos. Esses laços foram predominantes o suficiente alí a ponte de através da China, eles  serem chamados de Nanfeng - uma brincadeira com a palavra nan, o que significa ao mesmo tempo sexos masculino e sul "

“At last half of the shoguns who ruled Japan from 1338 to 1837 had documented affairs whit men. Tokugawa Tsunayoshi had as many as 130 male favorites during his reign; one lifelong companion became his chief minister… Critics of these affairs disapproved not of the homosexual relationships themselves, but rather of the mixing of classes”

" Na última metade dos shogunado, que governou o Japão 1338-1837 tiveram  documentados seus casos com homens. Tokugawa Tsunayoshi tinha até 130 favoritos masculinos durante seu reinado, um companheiro ao longo da vida tornou-se seu ministro-chefe ... Os críticos desses assuntos não desaprovavam das relações homossexuais em si, mas sim da mistura de classes "

“Much like the famed Greek warriors of Thebes, the Samurai and their male sex partners (gomotsu) idealized honor and courage; they often fought together to the death”

"Assim como os guerreiros gregos famosos de Tebas, o Samurai e seus parceiros sexuais masculinos (gomotsu) idealizaram a honra e coragem, pois eles muitas vezes lutaram juntos até a morte"

No ocidente, mesmo nos dias atuais, permanecem os conceitos herdados das tradição judaico cristão que vê o homossexual como “alvo da ir divina” e deve ser combatido com o mais alto grau de rigor, assim como fez Deus segundo a bíblia aos habitantes de Sodoma e Gomorra ou como eram castrados os homossexuais desde o tempo de Justiniano seguindo durante toda a Idade Média e Renascença.

“The real ´internalized homophobia´ is the belief that you can´t truly be a man simply because you love other men. Over the course of history , psychological and physical castration have been the most powerful weapons of those who despised homosexuality. Institutionalizing the idea that all homosexual men are fundamentally less masculine, essentially says that, on one level, those homophobes are right. Gay advocates argue that they are ´second-class citizens´, but they seem to have no problem whit being ´second-class men´.

A real "homofobia internalizada" é a crença de que você não pode realmente ser um homem simplesmente porque você ama os outros homens. Ao longo da história, a castração psicológica e física foram as mais poderosas armas daqueles que desprezaram a homossexualidade. Institucionalizar a idéia de que todos os homens homossexuais são fundamentalmente menos masculinos, essencialmente, diz que, em um nível, os homofóbicos estão certos. Defensores gays argumentam que eles são "cidadãos de segunda classe", mas eles parecem não terem nenhum problema com o fato de serem "homens de segunda classe".

“The gay identity is so powerful because the gay community invited those who were outcast, who were stigmatized as being different, to accept that difference and see it as something that makes them special and should inspire self-worth. What I am doing here is questioning the idea that they were ever really all that different in the first place.”

"A identidade gay é tão poderosa, porque a comunidade gay convidou aqueles que estavam marginalizados, que foram estigmatizados como serem diferentes, a aceitar essa diferença e vêr-se como algo que os torna especiais e deve inspirar a auto-estima. O que eu estou fazendo aqui é questionar a idéia de que eles eram realmente muito diferentes, em primeiro lugar. "

“Many gays truly like the idea that they are not quite the same as men, and imagine themselves to naturally possess all of the best attributes of both sexes. Perhaps, because of this, they figure it´s not their concern, and that any-one who values masculinity and who is uncomformable whith the stigma of effeminacy ought to speak for himself.”

"Muitos gays realmente gostam da idéia de que eles não são exatamente o mesmo que os homens, e imaginam-se, naturalmente, possuir todos os melhores atributos de ambos os sexos. Talvez, por isso, esta ideia não é sua preocupação, e que qualquer um que valoriza a masculinidade é que estaria inconformado ao estigma da afeminação deveria falar por sí mesmo". 






Nenhum comentário:

Postar um comentário