segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

`Man` The Natural Religion of Men - `Homem` A Religião Natural do Homem

Extrato da parte da obra: ANDROPHILIA - Jack Donovan - http://recrutaespartano.blogspot.com.br/2012/12/sobre-androphilia-jack-donovam.html

Relacionar a masculinidade em um padrão universal é algo muito complexo. Sempre que falamos sobre “masculinidade” temos em mente automaticamente alguns exemplos como os policiais, militares e atletas, porém não há formas objetivas de relacionar as características que fazem com que um ou outro indivíduo possa ser considerado mais ou menos masculino.
A masculinidade é um ideal compartilhado por uma coletividade. Dento do universo masculino a idéia da masculinidade é cultivada e zelada como um bem comum onde os padrões podem variar de cultura a cultura, porém não escapam da visão de que ser um homem envolve de certa forma a sua utilidade social como aquele capaz de exercer trabalhos de homem, isto é: a defesa de seu grupo social (família, aldeia...), fazer trabalho pesado, e exibir um físico saudável compatível com a gama de funções cuja força é essencial.
Há estudos que apontem que existe uma alteração química nos homens quando executam trabalhos que envolvem suas qualidades de “masculinidade” como a força física ou certa dose de violência como trabalhos em construção civil e uso de armas, alteradas as qualidades químicas haverá também alteração em suas características físicas. A consciência de executar atividades masculinas produz alterações químicas e consequentemente alterações físicas, por isso a sensação de satisfação experimentada por muitos homens a executar tais tarefas.
A masculinidade faz parte a experiência física de ter nascido homem.

“Just as I said almost anyone reading this could do this easily among any culture that has ever existed, and that the man chosen would be generally regarded as masculine bay his peers – assuming there wasn´t some transgression of a culturally specific masculine code in his past unknowable to you. This is why I refer to masculinity as the natural religion of men; the concept of manliness doesn´t just come out of nowhere – it grows naturally from the physical experience of maleness. What differs from culture to culture is the way in wich men developed this religion.”

"Assim como eu disse quase, ninguém lendo isto poderia fazer isso facilmente entre qualquer cultura que já existiu, e que o homem escolhido seria geralmente considerado como masculinos por seus pares - supondo que não houvesse alguma transgressão de um código cultural específico masculino em um passado desconhecido para você. É por isso que eu me refiro à masculinidade como a religião natural dos homens, o conceito de masculinidade não vem apenas do nada - ela cresce naturalmente com a experiência física da masculinidade. O que difere de cultura para cultura é a forma como os homens desenvolveram esta religião ".


A masculinidade, para ser melhor entendida, deve ser discutida em três diferentes aspectos:

MASCULINIDADE FÍSICA:

A masculinidade física, apesar de ser bem conhecida ao senso comum ainda não é completamente compreendida pelos cientistas. Homens e mulheres tem diferentes constituições físicas como crescimento de pelos, tipo de pele, órgãos reprodutivos, além das diferenças químicas causadas pelos hormônios influenciando inclusive a maneira de comportamento do indivíduo. Mesmo alterando suas características físicas externas, internamente o indivíduo não pode alterar suas experiência de ser do sexo masculino, desenvolvendo reações ao meio características de seu gênero.

MASCULINIDADE ESSENCIAL

“The body informs the mind. It is the physical experience of maleness that engenders essencial masculinity. Men, because of their physical experience of maleness, tend to be more naturally aggressive or assertive. Males tend to respond to certain things ins harmony with their bodies. But these responses are not isolated incidents, as they appear when we look at scientific studies. These responses occur over a lifetime and have a cumulative effect.”

"O corpo informa a mente. É a experiência física de masculinidade que engendra masculinidade essencial. Homens, por causa de sua experiência física da masculinidade, tendem a ser naturalmente mais agressivos ou assertivos. Os machos tendem a responder em  harmonia com seus corpos certas coisas. Mas estas respostas não são incidentes isolados, como eles parecem quando olhamos para estudos científicos. Essas respostas ocorrem ao longo da vida e tem um efeito cumulativo. "

A compreensão de ser um homem influencia diretamente na maneira a que esse indivíduo responderá ao meio em que vive, acumulando experiências e ampliando sua noção de masculinidade. Essa mesma noção de “ser homem” direciona o indivíduo a buscar correspondência em si e incorporar para si características de masculinidade próprias de outros indivíduos. 
Existe uma noção errônea na atual sociedade que prega determinadas manifestações de masculinidade  são incivilizadas e não produtivas tentando de certa forma desencentivá-las em sua pratica, porém naturalmente o homem escolhe como modelo de comportamento aqueles cuja masculinidade está manifesta em forma de trabalho pesado, coragem, força e brutalidade, seja em ídolos do cinema, personagens de jogos, esportistas ou profissionais da industria pesada ou construção.

“Essential masculinity is characterized bay desire. Essential masculinity is the desire which grows naturally from the physical experience of being male – the desire to be assertive, to exert strength, to be aggressive, to be independent, to differentiate oneself from women and to idealize manhood first, but so many people use that I was unable to figure out who originated it. My apologies to him”.

"Masculinidade Essencial é caracterizada pelo desejo. Masculinidade essencial é o desejo que cresce naturalmente com a experiência física de ser homem - o desejo de ser assertivo, para exercer força, ser agressivo, ser independente, para diferenciar-se das mulheres e para idealizar a masculinidade a princípio; porém muitas pessoas declaram serem incapazes de descobrir o que originou isso. Meus pezames a estes ".


MASCULINIDADE CULTURAL

A masculinidade cultural talvez é o fator de maior variabilidade. Cada cultura e cada época define o que é ser masculino, porém o que une todos esses padrões é a idéia de utilidade do homem para o bem desta sociedade.
Algumas ideologias tem o poder de incutir no homem a idéia de que seu valor como homem reside na demonstração de “coragem” em executar tarefas diretamente relacionadas a manutenção desses grupos. Homens bombas no Islã, revolucionários Comunistas, agentes Nazistas..., cada um, dentro de sua ideologia, exercia de demonstrava sua masculinidade baseado na idéia do bem comum. Ser homem é mostrar seu valor como parte importante dos interesses do grupo. Entre cristãos o “Real Homem Ama Jesus”, porem cada sociedade define o que considera ou espera como demonstração da masculinidade.
Os códigos de masculinidade tem o poder de moldar garotos em homens úteis a sociedade. Espera-se então uma mudança de comportamento para se definir o quando e o quanto um menino pode ser considerado um homem.

“Gilmore has provided the most insightful and concise understanding I´ve read regarding why cultures developed masculine ideals, why they create this religion of manhood. He presents masculine ideals as guards against “boyishness” in men, as ideals that drive men away from “regression” into models of behavior that revolve aroud nonproductive, childlike gratification”

"Gilmore tem proporcionado a compreensão mais perspicaz e concisa que eu li a respeito do porque as culturas desenvolveram ideais masculinos, por que criar essa religião de masculinidade. Ele apresenta os ideais masculinos como defesas contra a "infantilidade" em homens, assim como os ideais que colocariam os homens a caminho de "regressão" em modelos de comportamento que giram em torno da improdutividade, gratificação infantil "

“The gay community, by rejecting all masculine cultural ideals, rather than only those which prohibit homosexual expression, allows its males to remain boys. Many gay man never grow past focus on instant gratification and devil-may-care, hedonistic sensualism. The gay community promotes nonjudgmentalism and relativism, only expecting its males to accept their gay indentitiy and find happiness by doing whatever feels good to them at any given time. Gay culture celebrates superficial pursuits like fashion and looking good, but rarely celebrates potencial roles models who anything more substantive – unless they´re political activism working on behalf of the gay community. By separating gay man from other men and quarantining them in ghettoized gay culture, the gay community deprives its males of productive masculine role models. It models its boys according to a misguided feminist understanding of masculinity, but deprives them of rather figures who will challenge them, demand more from them, hold them to a higher standart – a masculine ideal – and inspire them to become man.”

"A comunidade gay, rejeitando todos os ideais masculinos culturais, e não somente aqueles que proíbem a expressão homossexual, permite aos seus homens permanecerem meninos. Muitos homens gays nunca crescem focando o passado em gratificações instantâneas e temerária sensualidade, hedonista. A comunidade gay promove não julgamento e relativismo, apenas esperando que seus homens aceitem a sua indentitiy gay e encontrem a felicidade ao fazer o que é bom para eles a qualquer momento. Cultura gay comemora buscas superficiais, como forma e boa aparência, mas raramente comemora modelos potenciais mais substanciais - a menos que eles sejam ativistas políticos trabalhando em prol da comunidade gay. Ao separar o homem gay de outros homens colocando em quarentena sobe a cultura de gueto gay, a comunidade gay priva os seus homens de produtivos modelos masculinos. Ela modela seus meninos de acordo com uma compreensão equivocada feminista da masculinidade, mas priva-os de ver figuras que irão desafiá-los, exigir mais deles, mantê-los a um maior padrão - um ideal masculino -. e inspirá-los a tornarem-se homens "


Incutir ao homem características femininas ou impedir a manifestação de sua masculinidade é uma forma de neutralizar o desenvolvimento do homem de garoto para um homem útil a sociedade. Um homem inútil a sociedade deixa de ser considerado homem ou tem seu valor de cidadão diminuído pelo senso comum. Para a sociedade, quanto mais manifesta é sua masculinidade, mais útil a esta mesma sociedade o homem apresenta ser de um modo produtivo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário