segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Patriotismo x Escapismo

Um traço muito marcante na característica de certos indivíduos que passam por alguma forma de repressão e uma idéia falsa de que além das fronteiras de sua terra natal existe um lugar onde a grama é sempre verde. Será?
Tenho amigos que se foram daqui para tentar viver uma vida mais digna fora do país. Longe da família e dos amigos, tentaram criar uma vida nova em terras onde as conquistas não lhe pertenciam. Se as comunidades nas terras estrangeiras conquistaram coisas que nos enche os olhos, não deveríamos nós também buscar conquistar boas coisas em nossa terra? O ponto crítico de tudo isso é que, por mais inseridos e adaptados que estejam nas sociedades estrangeiras, um estrangeiro é sempre um estrangeiro... Tais amigos, depois de anos de ilegalidade, ou desistiram da empreitada ou vivem a duras penas a auto-condenação de serem sempre cidadãos de segunda classe em terra estrangeira. Enfim, o que vale mais, ser um pobre entre os seus ou entre os outros. A quem prefira comer merda no anonimato, que pão duro entre conhecidos.
Situação diferente, no entanto, é a daqueles indivíduos que deixam suas pequenas cidades em busca de melhores oportunidades nas cidades maiores, nas grandes capitais. Não há como negar que nos grandes centros existe uma possibilidade maior de viver com liberdade aos indivíduos “androphilos”, além de melhores oportunidades de crescimento pessoal. A crítica porem deve ser feita àqueles indivíduos que, de braço cruzados, reclamam de sua terra de origem sem nada fazer para mudar. Num desavergonhado “escapismo” alguns indivíduos idealizam as grandes cidades ou os países estrangeiros como um país de maravilhas, onde tudo é possível e onde as pessoas são todas superiores, onde tudo é melhor e mais bonito, onde todos são mais liberais e esclarecidos. Criticam porque lhes desagrada a modéstia das pequenas cidades, onde as coisas não possuem o luxo das grandes cidades pela opulência econômica, porém esquecem que apesar do brilho dos lugares, ao que se referem ao elemento humano, as impressões nem sempre podem ser consideradas positivas. Cabe lembrar que as agressões mais graves cometidas a homossexuais aconteceram nos grandes Centros urbanos; se nestes existem grandes luminares, existem também grupos de grande intolerância.
Partindo-se do principio que de certa forma somos todos frutos do meio onde nos desenvolvemos, devemos ter orgulho de nosso local de origem como parte integrante daquilo que somos. Nossa obrigação como cidadãos e patriotas é lutar por desenvolver nossos locais de origem, nosso país e aprender a avaliar com justiça, sem atravessar a linha do sonho em achar que do outro lado do arco-íris esta o pote de ouro. Um homem de valor se impõe na adversidade e mostra-se valoroso em qualquer lugar, ao covarde o próprio peso de sua existência lhe oprime seja aqui ou do outro lado do mundo. Um guerreiro que não tem patriotismo para que lutará?






Nenhum comentário:

Postar um comentário