quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A Cena

Esta noite senti saudades de um amigo... Um amigo virtual, que eu nunca conheci pessoalmente. De qualquer forma, quem foi que falou que é preciso conhecer alguém pessoalmente para se querer bem? Eu nunca conheci pessoalmente a maioria dos escritores que enchem de ideias e palavras as centenas de livros que tenho empilhados aqui no meu quarto, porém eu os quero bem e conheço suas ideias, e isso quase nos faz camaradas...Por isso essa noite resolvi escrever algo para meu amigo, Espartano Viril, para contar a ele sobre "a cena".
Cena talvez seja uma palavra bem conhecida de alguns, mas para aqueles que não sabem, é como as subculturas costumam chamar o conjunto de coisas que de certa forma materializam as ideias de um grupo. Os grupos dentro das subculturas, sejam elas punks, skinheads, motoqueiros...seja lá que diabo se invente, se unem, a principio, por ideias e gostos comuns, talvez uma forma de enxergar o mundo e a sociedade e, num esforço coletivo, começam a criar um pequeno mundo, uma pequena sociedade que se aproxime do ideal coletivo. Numa cena, temos um visual que nos identifica, temos locais de encontro, temos musica, eventos, temos parceiros com quem podemos conversar sobre todas as coisas relacionadas; todas essas coisas comuns nos une em torno do que passamos então a chamar de cultura!! Viver dentro de uma cultura e fazer dela seu modo de vida, e cada experiência vivida dentro dela, com seus companheiros, reforça ainda mais essa união, uma irmandade realmente.
Uma dessas culturas aliás, me bateu tão forte e estava tão entranhada dentro daquilo que sou, da forma que me defino, que hoje percebo, tentei de certa forma transformar a Fraternidade Espartana numa espécie de cena, incorporando elementos daquela cultura maluca que eu amava demais!
Nessa tentativa as vezes me frustrei, não poderia conceber determinadas características que tornavam impossíveis àquele momento nossa união em uma cena real, porém algumas pessoas estavam ali, prontas, aptas para fazer com que a Fraternidade Espartana desse uma caminhada para essa realidade maior que permitiria que a amizade rompesse as fronteiras do virtual.
Espero um dia ter uma Cena Espartana, a união de espartanos dentro de um espaço real, como irmãos, bebendo e fazendo churrascos, identificáveis por qualidades e uma postura admirável, viril, espero poder ver isso, ter contribuído para isso. Somente a união e o esforço de fazer o real pode criar para nos uma "cena", onde iguais encontram iguais.
Acho que tudo isso passa pelo pequeno esforço de doar mais de sí, romper o egoísmo da simples busca do prazer para uma irmandade também disposta a apoiar o outro, a "correr junto", "manter a chama acesa"! Meu camarada Espartano Viril, tem mantido a "chama acesa", mantido a fé!! Não temos que ser apenas leitores ou expectadores, mas temos que construir e manter nossa cena.

Tenho muito orgulho de tí, meu brtoher! Tenho muito orgulho de sua fé inabalável na Fraternidade Espartana!

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Você sempre fala o necessário e na hora certa; nosso Farol em tempos bons ou turbulentos.

    ResponderExcluir